A História desta "Encantadora Raça" - Atual Cane Corso Italiano... 



Seus escritos e imagens evidenciados por meio da Arte através das esculturas, pinturas, fotografias e outras evidências ao longo dos séculos!!!

NOTA: Base e/ou Fonte de Origem das Imagens & Ilustrações -> http://www.casadelsolcanecorso.com/breed_info.html; http://www.icorsidellanevaia.it/galleryImg.asp?IDCategoria=CA e http://www.abouttimecanecorso.com/BreedInfo.html   (Out./2013) - +PAX+ "Canil Romão D´Itália"

 

O Molossian Itálico, assim conhecido têm sua origem tão remota quanto sua história, suas pesquisas osteológicas e sua arqueologia, as quais ainda podem ser únicas e incertas. Á princípio, devemos ressaltar que quando falamos sobre o Cane Corso Italiano, também estamos falando sobre o Mastino Napolitano, uma vez que, pelo menos, certamente disso, a sua base genética é a mesma (o Mastino Napolitano é um invento de raça, assim como os modernos Cane Corso embora "imboxerato", sendo ambos descendentes do antigo Molossian Itálico, o que será tratado detalhadamente a seguir). +PAX+ Canil Romão D´Itália

Isto pode ser inferido a partir da etimologia dos vários nomes pelos quais anteriormente eram chamados o Mastino Italiano: massatinus, ou guardião da fazenda; cohors, o cão da corte; no duplo sentido do palácio ou de uma fazenda ou propriedade; bem como para treinamento militar (coorte), por exemplo. Também foi chamado, na Puglia, como Cane Corzu ou Can Corzo concebido como um "guarda-costas", robusto e estruturado. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Algumas teorias chegam a relacioná-los como os cães de guerra utilizado pelas grandes populações do Oriente Médio, incluindo assírios, babilônios, e os gregos do Épiro, posteriormente importados para a Europa pelos fenícios (século VI aC.), Que usaram-nos como guardiões para os seus bens e como mercadoria de troca, estes, os molossos de grande porte que são os mesmos mencionados por Plínio, o Velho (23-79 aC) em sua obra "Historia Naturalis", no qual ele conta a história de dois cães apresentados por Alexandre, o Grande Rei Fear, famosos por seus tamanhos e por sua estrutura em particular ("inusitatae magnitudinis"). +PAX+ Canil Romão D´Itália

Esses exemplares em solo italiano, como mencionado acima, utilizados como moeda de troca, foram adicionados, recuperado e importadas pelos romanos como resultado de suas campanhas militares nos territórios da Gália (a partir de 121 aC a 50 aC), acasalando-os com os seus cães de guerra, cães de origem celta. Os cães de combate romanos (canis ou pugnax pugnaces) estabelecido por sua grande importância, surgiram durante a campanha da Grã-Bretanha (55 aC), na figura de um procurador, um oficial que encontrou e selecionou aqueles que melhor se adequassem as diversas necessidades do império: Em primeiro lugar, os cães de guerra, que foram então devidamente acasalados com exemplares objeto de outras atividades funcionais, criando uma linhagem de caça de grande porte, e guarda para gados e porcos, e para os pastos, mas também como cães de guarda para as propriedades e moradias, adequadamente selecionados na cor escura, a fim de reforçar, especialmente à noite, sua suscetibilidade ao ataque aos intrusos sem aviso prévio, resultando em uma abordagem mais eficaz. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Outro uso predominantemente foi para a "diversão" por meio de "jogos" em circos. Onde estes cães eram usados na caça e luta contra ursos, leões e tigres, onde quatro cães treinados foram capazes de matar um leão. Na época das touradas que estava muito em voga (do grego Tauros (ταύρος) = touro e macho (μάχη) = batalha), uma prática ainda em voga na Espanha e, até algumas décadas atrás, mesmo que ilegalmente, em certas áreas da Itália, a habilidade dos cães em matilha e/ou mesmo até o cão sozinho, estava em sua capacidade de parar um touro furioso pela orelha ou pelo focinho tomando-o de forma segura, nestes pontos sensíveis, de modo a causar a imobilidade do animal, como resultado de uma grande dor. Porém sua função principal permaneceu voltada para a frente de batalha, para o qual foram treinados usando homens, presumivelmente prisioneiros condenados à morte, ou, na falta deste, os fantoches, embebecidos de sangue e vísceras de animais mortos, para que o cães aprendessem a associar o inimigo com alimentos, uma técnica também usada em séculos posteriores, por exemplo, pelos conquistadores espanhóis para fazer o abate dos índios e, mais recentemente, pelo exército italiano na guerra ítalo-turca de 1912, que também teve a participação de vários exemplares de Mastino Fonnese e de Dogo Sardo. Os cães eram corretamente aparelhados com arreios de couro e metais leves, muitas vezes cobertos com lâminas ou parafusos que, ao lutar contra os exércitos equipados por monta, tinha a função de evisceração e neutralização dos cavalos da cavalaria do inimigo. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Certamente, que para enriquecer o conjunto de genes dos cães importados (da britannae pugnax, os cães de guerra do povo da Grã-Bretanha), os romanos se aproximavam do que já tinham em solo italiano, a partir das raças autóctones dos cães de pastoreio, os cães passaram a receber vários tipos de multi funcionalidades. Em particular, revelou-se a dois tipos, leves e pesados: um para a guerra e luta com feras, e outro para a caça, às vezes, com as devidas levrieroides os cães em seu tipo foram acasalados para a velocidade, agilidade e poder sobre a preza. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Após a queda do Império Romano, a posse destes cães tornaram-se uma prerrogativa para poucos senhores locais afortunados, grandes proprietários de terras, muitas vezes agricultores, que, além de tê-los em sua necessidade, poderiam dar ao luxo de mantê-los. Esses cães foram criados de acordo com a sua necessidade, como cães do tipo graiode ou braccoid, para a caça e/ou como cães de trabalho na pecuária por meio da obtenção de um guardião mais formidável e confiável para o gado. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Não raros, estes cães, os quais eram resultados de acasalamentos para "utilidade", fizeram parte de uma linhagem original , sendo estes, além disso, utilizados para a prática e aos usos os quais estes cães foram confiados pelos seus senhores, certamente também foram estes acasalados para assumirem tipos semelhantes, considerado-os aos "cão de luxo", criando novas linhagens mais claras, porém respeitando os seus grandes tamanhos, por meio de exemplares com sua pelagem completamente brancas e com as estruturas ultra-leves, portanto, mais adaptáveis ao baixo poder dos camponeses, porém, mantendo as características únicas do tipo original. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Estes cães tinham que ganhar uma vida, em tempos de paz, e tiveram canalizadas as suas habilidades para ajudar seus donos na luta pela sobrevivência como a população da zona rural, que em seguida, usaram-nos como pastores de gado; os pecuaristas eram uns dos poucos privilegiados que poderiam dar ao luxo de manter esta linha pesada, usando-os para bloquear os novilhos destinados ao abate, durante a captura e a matança, prática esta, até as primeiras décadas de 1900, assumindo freqüentemente o tom da espetacular, e da reminiscência tradicional e ancestral "touradas". +PAX+ Canil Romão D´Itália

Sendo o seu uso mais freqüente como um cão de guarda para os porcos, no pastoriu das cabras, e/ou dos pastos, em qualquer que seja o caso; por excelência, um exímio guardião das casas e propriedades, bem como "cão de guarda de pessoas" para deter os criminosos e inimigos. Foi e continua a ser, para aqueles que o usam, em sua excelência como cão para a caça de javali, não raros, mais de dois cães, treinados desde filhotes com porcos domésticos, são capazes de capturar um javali selvagem, embora o número ideal para essa atividade, seria quatro exemplares: dois para a presa, para bloquear o focinho, e outros dois para pegarem os órgãos genitais, causando tanta dor capaz de torná-lo impotente e à mercê do caçador, que o mata com um punhal afiado, (prática tradicional agora ladeada pelo uso de uma arma), que então corre para cortar os seus órgãos genitais, evitando assim que a carne fique com mau gosto, tornando-a intragável. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Outro uso freqüente foi como um cão de caça de texugos e porcos-espinhos, cujo a carne é muito deliciosa lembrando a carne de porco mais magra. Este tipo de caça é praticado à noite, usando o cane corso com porte e/ou tamanhos menores e com pernas curtas, porém igualmente fortes e robustos (a fim de ser capaz de penetrar nos buracos), também, sendo utilizados os mais claros brancos e fulvos, uma vez que são mais visíveis, sendo o cane corso, particularmente adequado para esta tarefa, pois têm alta resistência à dor e têm muita persistência na luta, apesar da enorme quantidade de espinhos dos porcos-espinhos, este confronto em muitas às vezes provocavam a cegueira nos cães quando os mesmos agarravam a presa na toca, tendo o caçador que tomá-lo pelo toco da calda e puxá-lo para fora da toca com a presa. +PAX+ Canil Romão D´Itália

A preservação desta espécie canina (sendo, o conceito de raça introduzida apenas no século XIX), ocorreu principalmente no sul da Itália pelos usuários em prática (massari, caçadores, pastores, pecuaristas, os nobres, proprietários rurais, agricultores, guardas rurais, policiais, ladrões, criminosos e "bandidos"), os quais acabaram sendo os únicos guardiões deste patrimônio e herança cinognostica; famosas ficaram as representações, pinturas e gravuras, por Bartolomeo Pinelli, um artista romano, pintor por excelência, que em suas obras, eram expostas por meio de pinturas, os ladrões e os cane corsos, os quais ele mesmo os obteve. Ao longo dos séculos, houve um declínio inexorável da espécie canina, agravada pelas crises econômicas e conflitos que surgiram no mundo em 900. +PAX+ "Canil Romão D´Itália"

Foi somente em 1946 que, em sua primeira exposição de cães pós-guerra, realizada em Nápoles, que a raça Cane Corso Italiano, foi oficialmente redescoberta por Piero Scanziani, jornalista; escritor e cinófilo; que manteve-se memorável, na história da cinofilia, a história de seu encontro com um Molossian Itálico de verdade, história tirada do livro " Il Cane Utile ", Editions Helvetic. 
+PAX+ Canil Romão D´Itália

Em 1949, estabeleceu o reconhecimento oficial da raça chamado "Mastino Napolitano, Cane Corso ou Cane da Presa", e apenas o nome "Mastino Napolitano" foi adotado como resultado de uma forte pressão do mundo da cinofilia em Nápolis, que reivindicou o nome da raça, afirmando que esta teria sido preservada graças, apenas aos interesses dos usuários de companhia, enquanto Scanziani teria preferido o Molosso Italiano ou Molossus Romano. A seleção foi dirigida favorecendo a linha pesada do molosso itálico, tal pela obtenção de seu passado histórico preservado por décadas, para garantir um verdadeiro extremismo de realidade para o seu "Tipo", complacente para com um padrão estabelecido para negócio, buscando o gigantismo, linfatismo, o encurtamento da cana nasal cada vez mais extremos, até chegar ao " hiper-tipo "; onde, para alcançar esses "resultados" foram excluídos para a reprodução interinas linhas de sangue, eliminando várias cores típicas (como branco) o qual foi uma antiga cor de pelagem em épocas passadas, como resultado que o descendente dos guardiães atuais, orgulho das fazendas de gado, têm sua pelagem curta, não sendo adequada para uma vida ao ar livre (exposta), por outro lado, foram encontradas algumas das características morfológicas e cores que vão além do que era o tipo tradicional da raça, por exemplo, a cor de mogno (típico de Dogue de Bordeaux) que, de acordo com o antigo mastinari, nunca tinham sido encontrados em exemplares à partir de seus vistos. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Uma abordagem, faz sentido ao padrão em questão, o fato de que estes cães não têm em comum; no que diz respeito a uma vida particularmente curta (muitos exemplares não superam os 5 anos de idade), com dificuldade de movimento, respiração, reprodução, com os molossian itálico, que foram vistos nos trabalhando nas fazendas no sul da Itália, até trinta anos atrás e que seus donos ainda os preservam e os guardam zelosamente. O fato é que o padrão estabelecido, tornou-o em uma raça mantida viva artificialmente; sendo na verdade, sua reprodução quase que inteiramente por inseminação artificial, partos assistidos e com cesarianas, na maioria das vezes, quando a amamentação não é executada pelos criadores com garrafas de leite, esta é confiada ao chamado “balia”, uma cadela vira-lata que acompanha durante o mesmo período da mastina, que em sua maioria morrem após o parto dos filhotes confiam-na como uma mastina, certificando-a de seu dever maternal, contrariando a tipicidade e a antinaturalidade da fêmea do mastino. O instinto maternal nestes cães apresentavam ser bastante dormente, depois de décadas de manutenção artificial da raça: o parto com cesariana, transferiam a eles, não terem sequer a percepção do nascimento, os filhotes não tinham os estímulos que iriam desencadear os mecanismos mentais, instintivos e ancestrais indispensável para o equilíbrio psíquico dos exemplares, como os adultos, para ajudá-los a interagir com os humanos, outros cães e, portanto, indispensáveis para a continuação da espécie. +PAX+ Canil Romão D´Itália

No final dos anos setenta, alguns fãs e amantes da cinofilia italiana começaram a se interessar pelos exemplares que restaram em sua pequena variação, mesmo que nas mãos dos usuários em contextos, os práticos e agro-pastorais; bem como em ambientes do submundo (práticas de crimes). A pesquisa se concentrou mais na área entre a Molise e a Puglia, com o objetivo de encontrar os exemplares mais típicos, o objetivo era obter o reconhecimento de uma raça com uma identidade própria distinta a da do Mastino Napolitano. E alcançar um resultado convincente para o reconhecimento no menor tempo possível, não foi fácil, pois muitas características são comuns a ambos os tipos, embora, na década de setenta, o mastino napolitano já tinha havia começado sua transgressão "nell'ipertipo". +PAX+ Canil Romão D´Itália

Para obter o F.C.I. argumentos convincentes foram abordados, sobre a sua identidade e legitimidade de molosso (Cane Corso), sendo o caminho da diferenciação utilizado desde o inicio "a todo o custo" à principio, foi pensado principalmente no tamanho, reduzindo-o e visando um padrão de exemplares particularmente leves, com o objetivo de não exceder uma média entre 50 kg, outro ponto a destacar, seria o fechamento da arcada dentária em prognatismo, encontrados em alguns exemplares (sendo o mastino napolitano normalmente fechado em pinça), houve uma tendência em confundir a típica tesoura invertida perto do dente de travamento, com o nota degenerativa dental conhecida como prognatismo. Com o propósito de capacidade em obter exemplares uniformes carregando o prognatismo, que é uma característica degenerativa recessiva, era quase que impossível, decidiu-se então, (como é evidenciado por meio de documentos oficiais), a introdução da raça Boxer em sua reprodução, caracterizada pelo extremo prognatismo congênito. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Sendo este, por óbvias razões burocráticas: o boxer, além de transferir o prognatismo, também reduziu o tamanho dos exemplares e “ammansiva”, tornando-os mais adequados para as exposições e para serem "manipulados" pelos juízes durante os julgamento intrusivas morfológicas; dificilmente um Cane Corso antigo, permitiria que sua boca fosse aberta por um estranho. Seria mais adequado às características comportamentais da raça, evitar esta coerção, características admitidas para os exemplares que não permitem a abertura de suas bocas por estranhos, sendo um juiz concorrente e assim por diante, basta pensar na filosofia da criação da raça Fila Brasileiro, para o qual, é de fato uma fonte de orgulho, a sua recusa a esta prática. Após um processo de distorção da raça, o seu abastardamento, a eliminação de várias cores típicas, a estabilização de certas características no prognatismo, com os eixos-craniofaciais bem convergentes, uma pelagem macia e uma característica boxerina, em 1994 veio o seu reconhecimento oficial como raça. Felizmente, por vários fãs obstinados e irredutíveis donos de Canes Corsos Italianos, o legitimo Mollosian Itálico ainda sobrevive, preservando as suas características morfológicas que lhe são peculiares:

Sua construção física, robusta em todas as suas variantes, é caracterizada por uma forma mesomorfa, geralmente acompanhada de uma depressão no meio das costas (ao contrário do atual corsos de exposição, com o tipo boxerino voltada para baixo), de tal forma sua variável de peso entre 40 e 90 kg, com o focinho bem quadrado, e com a cana nasal não excessivamente encolhida, para que estas permaneçam funcionais para o resfriamento do ar em condições ambientais extremas de trabalho (vale lembrar que estamos falando de um cão preservado no sul do país e com origem no Oriente Médio), sua mordida em tesoura, muitas vezes em linha reta, tesoura invertida, às vezes levemente prognata, torques, uma característica não procurada, mas simplesmente é natural que isso aconteça, sua pelagem é, em geral, uma textura chamada de “a pelo di vacca”, com o seu comprimento curto, porém não raspados, composto por pelos e e sub-pelos particularmente densos para o inverno; suas cores são muito mais amplas do que as previstas pelo padrão que inclui uma infinidade de cores e combinações, como o muito difamado branco, fulvo, cinza ardósia, cinza azulado, marrom, preto, sendo todos acompanhada às vezes por listras, ou uma cor única e, finalmente, em alguns exemplares, há o quinto dedo, esporas, com ou sem articulação, característica encontradas, e que provam ser uma raça primordial e antiga.
+PAX+ Canil Romão D´Itália

Com as características do antigo Mollosian Itálico, porém extremamente equilibrado, protetor dos membros da família e dos bens os quais lhe pertencerem, e cuja a guarda é responsável, a ponto de ser defensivo e agressivo sem medo contra qualquer ameaça, ou com qualquer elemento que ele acredita que seja potencialmente intruso. Ele tende a ser mórbido em sua afeição ao ponto de ser possessivo para a proteção e a segurança, “l'esclusiva” dos seus donos, também se corresponde perfeitamente com os outros animais de estimação, para o qual desenvolve sua proteção instintiva, e por tudo o que é de propriedade de seus donos. Corajoso, assim por tornar-se temerário e exclusivo para com o contato humano, sério e não propenso ao jogo, consciente de seu papel como protetor, mas também reflexivo. +PAX+ Canil Romão D´Itália

Com predisposição natural para a raça, encontrada em alguns exemplares, sendo seu modus operandi típico para guarda das propriedades, no caso de invasão deste território por pessoas não autorizadas, insultando qualquer intruso sem aviso prévio, conforme descrito pelo poeta Gabriele D'Annunzio, um grande amante de cães: “Molosso pronto ad azzannar senza latrato”. Os romanos, conscientes desta predisposição, apreciaram o fato de que graças a estes exemplares de cães, poderiam eliminar o problema da criminalidade e de sua existência. +PAX+ Canil Romão D´Itália

 

NOTA: Base e/ou Fonte de Origem -> http://www.allevamentosanprocolo.com/Cane%20Corso.html (Nov/2012) +PAX+ "Canil Romão D´Itália"

  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn ícone social
  • YouTube
  • Instagram

© 2018 por CANIL ROMÃO D´ITÁLIA - CANE CORSO ITALIANO. Orgulhosamente criado com Wix.com +PAX+ Canil Romão D´Itália